Contos Eroticos Veridicos

Um espaço para você ler, partilhar e relembrar os contos eróticos

Depilação ao domicílio

Posted by Gostosão

Era sábado e era dia de fazer a depilação, cheguei à clínica salão para fazer a depilação a laser, e a rapariga da recepção disse-me que a minha depiladora tinha entrado de ferias e que tinham contratado outra para ficar no seu lugar durante a sua ausência.

Sentei-me na sala de espera e reparei a porta a abrir-se e entrar uma ruiva linda. Tinha um corpo escultural, cabelos ruivos naturais, olhos verdes, bochechas com sardas, toda ela era linda.

Ela surge então de uniforme e chama o meu nome. O meu coração bateu forte. Seria ela que iria fazer a minha depilação? Além de linda era muito simpática o que a tornava ainda mais atraente.

Entramos na sala e ela pediu para eu tirar a roupa. Sou morena, cabelos castanhos ondulados até a cintura, olhos castanhos, coxa grossas, seios fartos e empinados, rabo durinho.

Quando estava deitada na mesa da depilação, vi que ela estava de costas e pude reparar no corpo maravilhoso que ela tinha.

Quando se virou para amarrar as laterais das minhas cuecas com o barbante, apanhou-me a olhar para ela. Fiquei vermelha e sorri e disse: “desculpa, mas tu és linda! Sou heterossexual, mas… tenho que admitir, tu tiras a respiração a qualquer pessoa!” Ela riu-se e abriu minhas pernas para ajeitar as minhas cuecas e disse: “tu também és muito linda!”

Percebi naquela frase alguma malícia, mas decidi relaxar, pois depilação é algo sério!

A ruivinha terminou e no final disse que tinha um creme para clientes especiais. Achei estranho, mas pensei deixa ver onde isto vai dar e disse: “Ai é? Deve ser refrescante”. Ela riu-se e abriu a bolsa e tirou um tubo com o tão milagroso gel refrescante pós depilação. Eu inocente, pensei que ela fosse espremer o gel nas minhas mãos para eu espalhar, mas foi ela mesma que quis fazê-lo. Com um toque suave ela abriu as minhas pernas e com as pontinhas dos dedos começou a espalhar o produto. Aquele toque cuidadoso deixou-me cheia de tesão. A minha vagina estava completamente molhada.

Com um sorriso nos lábios disse que essa brincadeira e estava a dar-me arrepios. Ela sorriu e respondeu: “Ainda não viste não nada!”. Fiquei pasmada depois dessa frase e a minha vagina estava em brasa.

Ficámos assim uns 15 minutos, até chegou a hora de outra cliente. Vesti-me e fiquei na recepção aguardando o meu marido. Não conseguia esquecer sensação dela passando o creme nas minhas virilha.

O meu marido chegou no seu carrão. Modéstia a parte eu soube escolher. Além de endinheirado tinha uma aparência fantástica! Moreno, olhos cor de mel, cabelos pretos e lisos e pernas muito bem definidas que combinavam perfeitamente com os braços.

Chegámos em casa e depois de um longo banho desci para fazer o jantar. Após jantarmos subi e coloquei algo mais atraente. Aquela ruivinha deixou-me com um tesão louco. Comecei a fantasiar. A minha vagina ardia de prazer…

O meu marido entrou no quarto para tomar banho, viu-me vestindo umas cuequinhas minúsculas transparentes, de renda preta e com bordados vermelhos com uma camisola curta, aberta na frente de forma que deixasse à mostra toda a exuberância dos meus seios fartos e duros. Ele arregalou os olhos e disse: “ Estás maravilhosa! Vou tomar um banho e já volto… espera por mim assim… abertinha… deixando aparecer essa vagina linda… e suculenta…”

Ele saiu do banho de pau feito. Tinha uma piça linda. Cabeça brilhante, parecendo que tinha passado cera. 27cm de pura virilidade.

Caminhou lentamente até a cama aonde eu o aguardava na mesma posição em que me tinha pedido que ficasse. Abri lentamente as pernas e disse: “amor, olha o que ruivinha fez na minha coninha”.

Ele tirou os 2 laços laterais que prendiam as cuequinhas e deparou-se com a vagina rosadinha, molhadinha e quase carequinha como ele sempre adorou, só que melhor ainda.

Fizemos amor a noite toda. Mas em nenhum minuto eu conseguia parar de pensar na ruivinha. No dia seguinte, o meu marido foi trabalhar e eu estava de férias, aproveitei para ir à praia e reforçar o bronzeado.

Resolvi ligar para a clínica e ver se ela estava lá. Falei com a recepcionista que imediatamente transferiu a chamada para a ruivinha. Envergonhada disse que tinha ligado apenas para agradecer a depilação e o creme que tinha passado em mim. Ela riu-se e disse que quando precisasse, poderia ligar para ela a qualquer hora do dia ou da noite. Apontei o nº do telemóvel dela particular e dei-lhe o meu.

Sai da praia por volta dumas 15h. Cheguei em casa atendendo um telefonema do meu marido, informando que precisaria fazer uma viagem urgente, que ficaria fora uns 2 dias.

Tomei banho e masturbei-me loucamente. Desci e fiquei vendo um filme até perto das 20h, quando resolvi ligar para pedir uma pizza e em vez de ligar para a pizzaria liguei para a ruivinha.

Ela atendeu e disse-lhe que o meu marido tinha viajado e que eu estava sozinha, com vontade de comer pizza, beber um vinho e conversar. Ela prontamente aceitou o meu convite. Parecia que ela estava à espera que eu ligasse, pois em menos de 15 minutos a campainha estava tocando.

Ela foi vestida para me provocar! Tinha um vestido de algodão, um pouco transparente de alcinhas, amarelo bem clarinho e botas pretas. Depois dos tradicionais 2 beijinhos, convidei-a para se sentar. A minha casa é grande e a sala é muito ampla. Em frente aos sofás tinha uma parede inteira de vidro, deixando à mostra um por do sol magnífico!

A ruivinha sentou-se confortavelmente, cruzou as pernas e eu que estava à sua frente, apercebi-me que ela usava umas cuecas minúsculas e pretas.

Eu estava de calções pretos, também de algodão, larguinhos, que dependendo da forma que eu me sentasse, daria para ver o meu rabi. Camisa vermelha, também soltinha que faziam os bicos rosados dos meus seios aparecerem cada vez que eu servia o copo de vinho.

Ficámos assim algum tempo, até que ela propôs: “posso ver como ficou a depilação?” Naquela altura fiquei sem palavras! Mas deixei-a ver. Dei corda para ver até onde ela iria.

Ela sentada num sofá e eu no outro, de frente para ela, abri as minhas pernas lentamente até que ficassem aparecendo as minhas cuecas e puxei-as lentamente para o lado e “sem querer” acabou aparecendo um pedaço dos meus lábios rosados. Senti que a ruivinha mordiscou a boca, como se estivesse com vontade de beber algo. Ainda com as cuequinhas de lado, ofereci-lhe mais um pouco de vinho. Ao abaixar-me, ela colocou a mão nas minhas virilhas, dizendo que queria verificar se estava empolado. Eu fechei os olhos e com um pé no chão e outro na mesa de centro, arreganhei mais ainda as pernas, deixando completamente livre o acesso para a minha vagina rosadinha e sedenta por uma chupadela.

A ruivinha molhou os dedos no vinho e passou lentamente na minha virilha. Ajoelhou-se em frente e encostou lentamente a sua língua macia. Soltei um gemido de prazer e cócegas, pois o vinho estava geladinho. Ela, docilmente, abriu os meus calções e baixou deixando apenas as cuecas, já ensopadas de tesão. Fiquei com um pé no chão e o outro apoiado na mesa de centro, só que desta vez eu estava de costas. Ela deu mordiscadas no meu rabo e com a mão por dentro das minhas pernas, acariciava a minha vagina molhada. As minhas cuecas já não tinham utilidade. Tirei-as num momento de loucura, junto com a blusa. Completamente nua e louca para beijar aquela mulher, deitei-a no sofá e beijei-a, a minha língua passeava pela sua boca, pescoço, seios, até chegar à sua vagina. E que vagina! Branca como a neve, cheia de sardas, pêlos ruivos faziam um conjunto lindo com os seus lábios grossos e sedentos pelas minhas chupadelas. Eu metia a língua para chupar todo aquele mel que descia. Subia a língua lentamente até ao grelo e descia até ao cuzinho… a ruivinha remexia-se toda. Rebolava na minha cara. Chamava-me de patroa. Chupa a sua depiladora. Chupa!

Depois de ela se ter vindo gozar, foi a minha vez de sofrer. Ela virou-me de 4 e chupou-me como um filhote de lobo. Eu por sua vez, rebolada, remexia, esfregava a minha vagina na sua cara. A sua mão passeava nos meus seios e depois descia até ao cuzinho, onde com o dedo me fazia gemer de tesão.

Depois de muita esfrega, ela disse que tinha trazido um brinquedo para nós. Tirou de sua bolsa um vibrador, grande e grosso, igual ao pau do meu marido.

Ficamo-nos comendo até tarde. No dia seguinte, o meu marido liga e disse que chegaria a casa a qualquer momento, pois conseguiu resolver tudo rápido.

Eu acordei a ruivinha e disse-lhe o que estava acontecendo. Ela por sua vez, nem se importou, deu-me um beijão e fiquei cheia de tesão novamente. Resolvemos dar mais uma antes de ir. Esfregamos deliciosamente as nossas coninhas, uma rosada e a outra ruivinha esfregando-nos e com o vibrador acabamos por fazer a festa de despedida.

Depois de nos virmos, a ruivinha teve que partir.

O meu marido chegou e me encontrou ainda mais sedenta. Eu estava nua, toda arreganhada na cama e pedi-lhe: “fode-me, agora!”

Demos umas belas quecas e no meio o telefone toca. Era a ruivinha. Eu expliquei-lhe que era uma depiladora que passou a ser minha amiga. Sem perceber nada de maldade ele achou tão bom e visto que ela estava bem e com o tesão mais aflorado que propôs à esposa que ao invés de ela ir à clínica depilar-se, que ela convidasse a sua amiga para atender ao domicílio.

Eu adorei! Imagina a ruivinha?! Uma vez por semana a ruivinha ia fazer a depilação na minha casa, onde no final de cada depilação tínhamos sexo delicioso.

Uma vez, o meu marido chegou mais cedo e apanhou-nos a fazer um 69 delicioso. Em vez dele ficar chateado, sentou-se e começou a masturbar-se olhando para nós…

One Response to “Depilação ao domicílio”

  1. Paulo Ruas says:

    Granda história pá!
    Precisava de duas gatas assim para namorar!!!
    Tens o email delas?

    Paulo Ruas

Leave a Reply