Contos Eroticos Veridicos

Um espaço para você ler, partilhar e relembrar os contos eróticos

Comi a minha professora e colega de trabalho japonesa

Posted by Gostosão

O que vos passo a relatar aconteceu há 1 mes atrás. O meu nome é Diogo, tenho 23 anos, estou na universidade e sou estagiário com uma professora do meu curso, na empresa onde ela trabalha. Ela chama-se Sandra, é uma japonesa mestiça, casada, tem 39 anos, cabelos longos e negros, cerca de 1,70 m de altura, peitos redondinhos e rabo empinado.

Estudo à noite e faço estágio de manhã e à tarde, n uma segunda-feira, eu não ia ter aulas, então fiquei ate mais tarde ajudando a arrumar uma das salas de reunião que seria utilizada no outro dia. Como era hábito, depois de terminar o serviço eu aproveitava para já tomar banho lá. Fui tomar banho por volta das 19:00. Estava lá tomando banho, quando oiço alguém abrir a porta e achei estranho, porque só estava eu e a Sandra na empresa, então ouvi uma voz feminina e ela disse: “Diogo és tu que estás aí?”, eu respondi que sim, então ela continuou. “Vou usar a casa de banho aqui, porque a feminina já está fechada!”, ao que eu respondi que tudo bem.

Quando ouvi ela a mijar fiquei excitado, pensando naquela japonesa boazona, praticamente nua a poucos metros de mim. Ouvi ela puchar a descarga, então voltei a tomar o meu banho ainda excitado. Depois de algum tempo vejo alguém abrir a porta, fiquei assustado mas rapidamente o meu susto tornou-se excitação, quem estava a entrar era a  Sandra, totalmente nua, mostrando os seus peitos lindos e a sua cona peluda, quando vi quase tive um ataque e fiquei ainda mais excitado. Ela então disse: “vou aproveitar para tomar banho aqui contigo, pode ser? mas não podes contar a ninguém!”, eu confirmei, ela olhou para o meu pau que estava quase para explodir e disse: ” cuidado com isso senão vai aleijar-me!”, ela então passou por mim e entrou debaixo do chuveiro deixando a água escorrer pelo seu lindo corpo, principalmente no cu que estava virado para mim.

Eu fiquei ali só admirando enquanto ela se molhava, ela então virou-se de frente para mim, entregou o sabonete e me pediu para eu ensaboar-lhe as costas. Eu segui as ordens dela e comecei a ensaboar-lhe as costas, começando pela nuca e fui descendo, aproveitando para passar a mão em cada parte das suas costas. Fui descendo quando cheguei ao cu, parei, ela então disse que poderia continuar, então aproveitei para apalpar e deliciar-me com aquele cu maravilhoso, depois fui descendo ensaboando-lhe as pernas e aproveitando para olhar para a cona peluda dela. Quando cheguei aos pés, ela virou-se e disse: “agora podes subir!”.

Então comecei a subir, ensaboei-lhe as pernas, quando cheguei à cona, aproveitei a liberdade que ela me tinha dado e massajei longamente a coninha dela, enquanto isso ela gemia, coloquei uma das mãos entre as pernas dela e fiquei massajando, enquanto ia subindo até chegar nos melões e quando cheguei, ela já estava muito ofegante, então dei um grande chupão naqueles peitos deliciosos. Quando terminei ela estava totalmente entregue, então comecei a beijar aquela boca deliciosa, encostei-a à parede que era de mármore e pude perceber todos os pelos do seu corpo estavam arrepiados, continuei beijando-a.

Segurei a perna direita dela, ergui, para facilitar a penetração, e comecei a penetra-la vagarosamente, cada centímetro que colocava mais para dentro ela gemia mais, quando coloquei tudo, parei por cerca de uns 30 segundos, então comecei os movimentos bem lentos para aproveitar ao máximo aquela situação.

Aos poucos fui aumentando a velocidade e ela gemia cada vez mais, até que percebi que ela estava a vir-se, continuei a bombar já que eu ainda não me tinha vindo, ela praticamente desfalecida entre mim e a parede, até que me vim, acho que foi a vez em que tive um orgasmo maior. Mesmo depois de me ter vindo, ficamos a beijar-nos e eu continuei com o meu pau enterrado na cona dela até que amoleceu totalmente, então tirei, ela olhou para mim e disse:”obrigada Diogo, era exactamente isso que eu estava precisando.”, Então eu comecei a limpa-la aproveitando novamente para apalpar todo o corpo da minha japonesa. Ela terminou de se limpar e disse: “não te esqueças do nosso combinado, não contes a ninguémo que aconteceu aqui.” E foi-se embora, eu terminei o meu banho. E também fui para casa, onde  sonhei com a minha japonesa.

Leave a Reply